Ciclo de palestras “A Unidade da Arte Contra a Copa” – primeiro encontro, dia 12/06/14


O nosso ciclo de palestras contra copa irá se iniciar na próxima quinta feira, 12 de Junho.

A programação desse primeiro dia será a seguinte:

14:00 – retirada de ingressos gratuitos na portaria do prédio do evento

15:00 – Análise da canção “While My Guitar Gentle Weeps”, de George Harrison

16:30 – Intervalo

17:00 – A Contemplação da Harmonia das Esferas: uma análise do passo 34 no diálogo “Timeu” de Platão (primeira de sete palestras) 

18:30 – Intervalo

19:00 – Análise do Filme “Excalibur”, de John Boorman (primeira de sete palestras) 

21:00: Término do evento

As palestras serão na Sala de Cultura localizada na Avenida Paulista, 925, décimo andar, sala 102. Lembramos que o número de vagas é limitado.

O evento será transmitido através do aplicativo Hangouts do Google+, mas nesse primeiro encontro faremos um teste para avaliar nosso equipamento. Portanto, a transmissão poderá ser comprometida.

Aqui estão os folders das palestras desse primeiro encontro:

gentleweeps

A Unidade da arte no Rock Inglês Análise da canção “While My Guitar Gentle Weeps”, de George Harrison – Marília Bizelli, Silvio Moreira, Rodrigo Bravo e Ciro Visconti

Quando o jovem Franz Kappus no início do século passado perguntou ao grande poeta alemão Rainer Maria Rilke se era possível um artista produzir acidentalmente uma obra de arte, a resposta foi um surpreendente ‘sim’. Todavia, ela seria lamentável para o artista. Justamente ele por quem a obra veio a ser não é capaz de apreciá-la. Ele funciona como uma parte do processo que passa a obra de uma mão para outra, mas para ele permanece ela selada. Embora ela também aconteça por ele, ela não se opera nele, aguardando que terceiros revelem a obra que por ele se realizou. Este caso peculiar para o artista é bem mais frequente no fruidor. O fruidor, assim como o artista, deve ser co-compositor da obra. Ricardo Rizek nos dizia que o fruidor é o último artista, desde que o artista tenha conseguido ser perante a sua obra o primeiro fruidor; desde que o artista tenha permitido que a obra se erguesse como um outro dele mesmo, para que pudessem terminar sua composição juntos. Este processo sempre a quatro mãos entre o artista e a obra de arte na confecção desta se atualiza na relação entre a obra e o fruidor, tornado este no compositor final de seu processo. Ernst Cassirer procurou desmistificar esta relação mostrando como ela não exclui nem o estudo nem o aprofundamento nos recursos de uma determinada cultura. Ao contrário disto, esta relação exige todos estes elementos. Mesmo as obras consideradas mais singelas podem sediar uma amplitude de relações inesperada. Em nossos tempos, a criação do conceito ‘popular’ na música, assim como nas artes em geral, serviu para desprestigiar em muitos casos obras de uma amplitude considerável. Mas em que sentido devemos compreender esta amplitude? Como já indicado em nosso primeiro texto, esta amplitude não está a serviço de representar nem comunicar nada além da própria obra, operando o desdobramento de sua estrutura não um afastamento, mas um mergulho no que nela há de mais íntimo. É isto que experenciaremos na análise da canção “While My Guitar Gentle Weeps”, de George Harrison, em que os elementos assinalados se encaminharão passo a passo lá onde a obra é cada vez mais ela mesma.

harmonia das esferas

A Unidade da Arte na Filosofia Grega (curso dividido em 7 palestras) A Contemplação da Harmonia das Esferas: uma análise do passo 34 no diálogo ‘Timeu’ de Platão – Silvio Moreira e Ciro Visconti

Neste primeiro encontro se iniciará o curso sobre o passo 34 do diálogo ‘Timeu’ de Platão, que apresenta um resumo de nossos últimos 15 anos de pesquisa em teoria da harmonia e artes liberais. O que trabalhamos deste diálogo de Platão não se reduz à prática musical, menos ainda a uma teoria da afinação. Trabalhamos com a hipótese de que o conhecimento construído pelo programa da paidéia pressupõe que a magnitude de suas operações depende da devida articulação dos procedimentos fundamentais da compreensão, aqueles que se identificam por serem livres de qualquer finalidade. Estas artes, por não servirem a nenhum fim para além de seus respectivos exercícios, foram chamadas ‘liberais’, em oposição às servís, em que se configuram as técnicas aplicadas. As artes liberais permitiriam em sua devida articulação a operação articulada da própria totalidade a partir de seus fundamentos. Por essa razão também não consideramos que possam ser reduzidas a disciplinas apenas, menos ainda a disciplinas introdutórias para o ingresso nos patamares superiores da razão, como se compreendeu na Idade Média. Nosso objetivo é oferecer uma vivência sobre o texto de Platão em que cada uma das artes liberais é exercida, ao passo que se interpenetram e entrelaçam a unidade do real.

excalibur

A Unidade da Arte no Cinema Inglês (curso dividido em 7 palestras) Análise do Filme “Excalibur”, de John Boorman – Silvio Moreira

Neste primeiro encontro se iniciará a análise do filme ‘Excalibur’, de John Boorman, centro conceitual da trilogia limitada por ‘Zardoz’ e ‘Floresta de Esmeralda’, realizado em 1981, com adaptação de Rospo Pallenberg para a obra do renascentista Thomas Malory (1414–1471) “Le Morte d’Arthur”, consultoria de Neil Jordan e música de Trevor Jones, com excertos de obras de Richard Wagner e Carl Orff, vencedor do prêmio de Melhor Contribuição Artística no Festival de Cannes. Assim como na música popular, o processo industrial da manufatura cinematográfica, seu apelo às e seu assédio pelas massas também serviu para atenuar a expectativa com o que nele pode se operar. Assim como nas atividades deste dia, pretendemos indicar o caminho que revela a amplitude de relações que se operam por esta obra, sem que nada representem ou designem, expressem ou comuniquem para além dela mesma, entrelaçando na unidade do mundo que abre trama e imagem, proporção e narrativa, harmonia e enredo, na unidade temática que somente uma obra de arte pode constituir. Necessário já haver assistido o filme antes do evento.

Maiores informações nesses links:

https://cirovisconti.wordpress.com/2014/06/06/a-unidade-da-arte-contra-a-copa-do-mundo/

https://cirovisconti.wordpress.com/2014/05/21/palestras-gratuitas-durante-os-jogos-do-brasil-na-copa-da-fifa/

 

 

About cirovisconti

Guitarrista do Diafanes, professor do Conservatório Souza lima e colaborador da Revista Guitar Player myspace.com/cirovisconti myspace.co
This entry was posted in Bate papo musical, Divulgação. Bookmark the permalink.

8 Responses to Ciclo de palestras “A Unidade da Arte Contra a Copa” – primeiro encontro, dia 12/06/14

  1. tiagovaz says:

    ah, passa o link pro hangout se rolar!

  2. Pingback: Ciclo de palestras “A Unidade da Arte Contra a Copa” – segundo encontro, dia 17/06/14 | Ciro Visconti's Blog

  3. Pingback: Ciclo de palestras “A Unidade da Arte Contra a Copa” – segundo encontro, dia 17/06/14 | Ciro Visconti's Blog

  4. Pingback: Ciclo de palestras “A Unidade da Arte Contra a Copa” – terceiro encontro, dia 23/06/14 | Ciro Visconti's Blog

  5. Pingback: Ciclo de palestras “A Unidade da Arte Contra a Copa” – quarto encontro, dia 28/06/14 | Ciro Visconti's Blog

  6. Pingback: Ciclo de palestras Unidade da Arte Contra a Copa do Mundo – quinto encontro, dia 04/07 | Ciro Visconti's Blog

  7. Pingback: Ciclo de palestras Unidade da Arte Contra a Copa do Mundo – sexto encontro, dia 08/07 | Ciro Visconti's Blog

  8. Pingback: Ciclo de palestras Unidade da Arte Contra a Copa do Mundo – sétimo encontro, dia 13/07 (final da copa) | Ciro Visconti's Blog

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s