A Unidade da Arte contra a Copa do Mundo


A Unidade da Arte contra a Copa do Mundo

Há alguns dias postei um texto sobre como farei o meu protesto contra a copa do mundo através de palestras gratuitas nos horários de jogos (https://cirovisconti.wordpress.com/2014/05/21/palestras-gratuitas-durante-os-jogos-do-brasil-na-copa-da-fifa/). Naquele post expliquei que essas palestras seriam ministradas por mim e pelo Prof. Silvio Moreira que havia topado participar desse projeto. Ainda naquele texto, prometi novas informações sobre quais seriam e onde se realizariam essas palestras.

De lá para cá, fizemos algumas reuniões e avançamos muito nesse projeto. Entre os avanços,  definimos o título, A Unidade da Arte contra a Copa do Mundo, e agregamos três novoa professores e pesquisadores que também ministrarão palestras, a Profa. Marília Bizelli, a Profa. Edilene Alves Bezerra e o Prof. Rodrigo Bravo. Dessa forma, teremos cinco membros do núcleo de nosso grupo de pesquisa como palestrantes. Além disso, também definimos o local e horários em que realizaremos esse projeto.

As palestras serão na Sala de Cultura localizada na Avenida Paulista, 925, décimo andar, sala 102 e iniciarão duas horas antes de cada jogo do Brasil e terminarão duas horas depois. Em cada encontro teremos três palestras de aproximadamente uma hora e meia, o título de cada uma e o nome do professor palestrante estão mais abaixo nesse mesmo post. Todas as palestras são gratuitas e o primeiro encontro será na estreia do Brasil na copa, dia 12 de junho. Divulgaremos as palestras que acontecerão em cada encontro alguns dias antes deles se realizarem.

Também definimos algumas regras para nossos encontros:

  • Ingressos: como teremos um número limitado de vagas, faremos a retirada do ingresso gratuito uma hora antes de cada encontro na portaria do edifício no endereço supracitado. Cada pessoa poderá pegar apenas um ingresso e ele servirá para as três palestras daquele dia.
  • Intervalos: entre cada palestra faremos um intervalo para um lanche de cerca de meia hora.
  • Trânsito de pessoas: por questões logísticas do edifício, não será permitido o trânsito de pessoas durante as palestras e também nos intervalos. Isso quer dizer que se alguém sair antes do término do evento não terá como voltar para a sala do décimo andar e não poderá assistir as demais palestras. Pessoalmente, peço que todos que desejam participar se programem para assistir as três palestras de cada encontro, evitando de ir embora antes do final do evento. Peço isso em consideração aos palestrantes, pois cada professor envolvido está desenvolvendo cuidadosamente a sua parte para oferecer um material altamente qualificado e todos merecem falar para uma sala cheia e para  uma audiência atenta.
  • Internet: estamos estudando uma maneira (com a estimada ajuda do amigo Leo Bonna) de transmitirmos ao vivo as palestras pela internet e assim facilitar para as pessoas que não moram em São Paulo poder assistí-las. Assim que tivermos definido como isso funcionará, eu posto informações aqui.
  • Protestos: nosso protesto consiste em estudar e falar de assuntos que consideramos relevantes  (arte, filosofia, estetica, etc) durante um período em que se esperasse nossa alienação. Por isso, não falaremos da copa da fifa nem de política atual nesses encontros. Em nossa visão, não é muito eficiente fazer reuniões para protestar sobre algo que será a pauta principal desses encontros. Pretendemos ignorar completamente a copa e consideramos que seria lindo se houvessem mais projetos como esse que resultassem numa diminuição radical da audiência da globo e das outras emissoras durante os jogos. Imagino como o arnaldo jabor comentaria isso no jornal: “esses vândalos que não ligaram seus televisores não valem nem 20 centavos”.

O Prof. Silvio Moreira preparou um texto que fala sobre o projeto e sobre o nosso grupo de pesquisa, copio-o aqui:

“A Unidade da arte

Os problemas relativos à identificação do belo na contemporaneidade justificaram recursos aos campos da psicologia, da sociologia, da história e da linguística para o devido recorte do fenômeno estético. Estes recursos geralmente arriscam reduzir o belo ou à comunicação, ou ao registro, ou a representação, ou à expressão. Embora o belo não exclua nenhum destes fenômenos, não se reduz a eles, razão pela qual os problemas decorrentes da reflexão sobre a arte não se diluem em problemas de tradução, da fixação do sentido ou do estabelecimento do discurso; nem em problemas de decomposição dos eventos, do seu nexo causal ou de suas condições anteriores; nem em problemas de visão de mundo, da produção social ou de alienação do gosto; nem em problemas de projeção ou introjeção de conteúdos, da criatividade ou da economia dos afetos. Não é porque a reflexão a respeito do belo possa auxiliar no estudo destes problemas significa que ela pertença a eles. Justamente porque não pertence e porque delimita um espaço autônomo de reflexões, pode dele auxiliar a outros por não se confundir com nenhum deles. Fosse a arte um problema da linguística, reduziria-se à linguagem, e sua instrumentalidade não justificaria sua plenitude em casos que o instrumento nada atinge além de si mesmo, levando ao equívoco e à vaguidade as tentativas de fazê-lo forçosamente designar. Fosse a arte um problema exclusivo da história, seria insuficiente para assinalá-la como objeto desta, tendo em vista que se confundiria com ela, já que pelo contrário necessitaria desta se distinguir para que o seu aspecto histórico fosse assinalado. Fosse o problema da arte redutível ao da sociologia, atuaria apenas como representação das sínteses sociais, apenas transferindo o problema de sua delimitação a outro campo menos adequado para justificar porque  determinada representação é arte e não outro produto da cultura. Fosse o produto da arte oriundo do psiquismo, nada lhe distinguiria de qualquer projeção por ele operada ou afeto nele sofrido, quedando por este caminho qualquer possibilidade de pensar porque os termos relativos a eles surgiram e permaneceram na cultura. A metafísica, por um lado, procurou pensar o belo sem relativizá-lo por um destes quatro domínios, e programas como o formalista tentaram, por outro lado, alternativas aos programas metafísicos que terminavam por sujeitar a estética às suas próprias necessidades acadêmicas.

É esta a esfera de reflexão sobre a arte de nosso grupo de pesquisa. Pelo pretexto deste protesto à copa, vamos compartilhar diversas abordagens decorrentes de nossos estudos, buscando pelos seus resultados verificar a validade da proposição: a força de uma obra de arte é a força de sua unidade. Esta unidade não se reduz a sua forma, mas ao nexo estrutural que inclui forma e conteúdo na unidade de uma relação, relação esta exclusiva da arte que teria por conteúdo sua forma e por  forma, seu conteúdo. Uma metafísica seria frágil para elaborar este programa justamente pela sua força, já que a força seria dela e não propriamente da unidade imanente da arte. A partir dela, por mais que designe, ela não se esgota em uma linguagem; por mais que documente, não se esgota nos eventos; por mais que represente, não se esgota naquilo que ilumina; por fim, por mais que expresse, não responde a expressão nem por sua causa original nem é capaz de compreender nos afetos seus efeitos.

Todavia, a finalidade destes cursos e palestras não é prioritariamente informar as linhas de pesquisa de nosso grupos, mas, a partir delas, tentar participar uma fruição estética um pouco diferente das abordagens majoritárias, em contextos inesperados para boa parte das pessoas. Sejam bem vindos a nossa proposta, ao protesto certamente, ainda que pretexto.”

O formato do projeto prevê palestras divididas em cinco categorias:

  1. A Unidade da Arte no Rock Inglês
  2. A Unidade da Arte na Filosofia Grega
  3. A Unidade da Arte no Cinema Inglês
  4. A Unidade da Arte na Música Ocidental
  5. A Unidade da Arte na Canção Brasileira

As palestras são as seguintes:

  1. A Unidade da Arte no Rock Inglês

1.1 Análise da canção “While My Guitar Gentle Weeps”, de George Harrison – Marília Bizelli, Silvio Moreira, Rodrigo bravo e Ciro Visconti

  1. A Unidade da Arte na Filosofia Grega

2.1 A Contemplação da Harmonia das Esferas: uma análise do passo 34 no diálogo “Timeu” de Platão (curso dividido em sete palestras) – Silvio Moreira e Ciro Visconti

  1. A Unidade da Arte no Cinema Inglês

3.1 Análise do Filme “Excalibur”, de John Boorman (curso dividido em sete palestras) – Silvio Moreira

  1. A Unidade da Arte na Música Ocidental

4.1 Improvisação Tonal – Ciro Visconti

4.2 Improvisação Pós-tonal – Ciro Visconti

4.3 Música e Simetria – Ciro Visconti

  1. A Unidade da Arte na Canção Brasileira

5.1 Análise da canção “Malandro”, de Chico Buarque – Edilene Alves Bezerra

5.2 Análise da canção “Choro Bandido”, de Chico Buarque – Silvio Moreira

Os palestrantes são os seguintes:

Silvio Moreira (facebook.com/silvio.moreira.96)

Graduado em Psicologia (1998), mestre e doutorando em Filosofia pela PUC-SP. Atualmente é presidente do Instituto Ousia, professor da Universidade São Judas Tadeu, Conselheiro Fiscal do Instituto Luiz Gama, líder do grupo de pesquisa ‘Analise e dialética, fenômeno e estrutura: a razão entre o moderno e a pós-modernidade’, pesquisador do grupo ‘Fenomenologia e Hermenêutica’, âmbos da USJT, e do grupo ‘Transcriações Musicais’, da UNICAMP, cadastrados no CNPq. Leciona estética no Conservatório Souza Lima, onde ministra o curso de Análise de Filmes. Tem experiência na área de Filosofia, com ênfase em Metodologia, Fenomenologia e Estética, e na área de Psicologia, com ênfase em Psicanálise. Colabora esporadicamente com a Zagaia em Revista, e em 2010 lançou seu primeiro livro, Manual de Metodologia do Direito, pela Editora Quartier Latin.

Ciro Visconti (facebook.com/cirovisconti)

É guitarrista e compositor nascido na cidade de São Paulo. É bacharel em instrumento, formado na Faculdade de Música Carlos Gomes, e atualmente conclui o mestrado na ECA/USP sob a orientação do Dr. Paulo de Tarso Salles, na área de processos de criação musical. É vice- presidente do Instituto Ousia, pesquisador dos grupos de pesquisa ‘Analise e dialética, fenômeno e estrutura: a razão entre o moderno e a pós-modernidade’ da USJT, e ‘Transcriações Musicais’, da UNICAMP, além de integrar o grupo ‘PAMVILLA – Perspectivas Analíticas para a Música de Villa-Lobos’, todos cadastrados no CNPq. Professor do Conservatório Souza Lima, leciona Guitarra, Harmonia, Contraponto, Teoria Musical e Prática de Bandas. No Conservatório formou e é regente da Orquestra de Guitarras Souza Lima, integrada por 12 de seus alunos de guitarra. É guitarrista da banda Diafanes, com a qual lançou três álbuns e participou de cinco turnês americanas. Colabora regularmente com a Revista Guitar Player Brasil, e em 2011 lançou seu primeiro livro, Guitar Player Brasil Série Estudo Vol. I, pela Editora Melody.

Marília Bizelli (facebook.com/marilia.bizelli.9)

Bacharel em Musica pela UNESP com habilitação em Flauta Transversal. Iniciou seus estudos musicais em 1991, e em Flauta Transversal em 1995. Estudou em diversos conservatórios, entre eles o Conservatório Dramático e Musical de Tatuí. Participou de festivais e integrou orquestras jovens da capital e do interior paulista. É pesquisadora do grupo de pesquisa ‘Analise e dialética, fenômeno e estrutura: a razão entre o moderno e a pós-modernidade’ da USJT, cadastrado no CNPq. Lecionou em várias escolas e conservatórios, atualmente ministrando flauta transversal, teoria musical, percepção e musicalização no Conservatório Mozart, Conservatório Musical Maraísa, Oficina de Artes e Ensino e Escola de Música Canta Brasil, além de ministrar cursos e palestras pelo Instituto Ousia e alunos particulares.

Edilene Alves Bezerra (facebook.com/edilene.alvesbezerra)

Graduanda em Filosofia pela Universidade São Judas Tadeu. Concluiu em 2012 o Regime de Iniciação Científica (RIC), financiada pela mesma instituição, na área de Filosofia Política sob orientação do professor Silvio Moreira. Integra o grupo de pesquisa ‘Analise e dialética, fenômeno e estrutura: a razão entre o moderno e a pós-modernidade’ da USJT, cadastrado no CNPq, coordena o grupo de estudos em Michel Foucault para alunos dos cursos de Filosofia e Direito da USJT, e ministra cursos e palestras pelo Instituto Ousia. Atualmente, participa do RIC desenvolvendo uma pesquisa que procura assinalar as relações presentes entre o pensamento de Ernst Cassirer e o movimento estruturalista francês.

Rodrigo Bravo (facebook.com/prof.rbravo)

Bacharelando em letras pela Universidade de São Paulo, professor de idiomas, tradutor e pesquisador no âmbito da filosofia antiga e teoria da linguagem, com ênfase em Platonismo eescola de Marburg. Integra o grupo de pesquisa ‘Analise e dialética, fenômeno e estrutura: a razão entre o moderno e a pós-modernidade’, cadastrado no CNPq, e ministra cursos e palestras pelo Instituto Ousia. Participa de congressos e grupos de estudo em temas de filosofia, metodologia, linguistica e análise textual. Membro da Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos.

 

About cirovisconti

Guitarrista do Diafanes, professor do Conservatório Souza lima e colaborador da Revista Guitar Player myspace.com/cirovisconti myspace.co
This entry was posted in Bate papo musical, Divulgação, Estética musical. Bookmark the permalink.

9 Responses to A Unidade da Arte contra a Copa do Mundo

  1. tiagovaz says:

    Ciro, se precisarem de alguma ajuda técnica pra trasmissão das palestras pode contar comigo. Eu tenho um servidor de streaming Icecast e posso auxiliar (remotamente) no setup local. Se a transmissão der certo eu vou projetar as palestras aqui em casa e anunciar um “portas abertas” para os vândalos brasileiros em Montréal, tou aqui na torcida🙂

    • cirovisconti says:

      Olá Tiago, putz o que mais precisamos é ajuda…rs. Estamos sofrendo com esse negócio de webinar e provavelmente faremos essa primeira via Hangouts. Mesmo assim eu não sei se vamos acertar…rs. Vc acha que via Hangouts é muito ruim? Enfim, durante o dia de hoje (11/06) eu vou postar as informações das três primeiras palestras aqui no blog, espero que vc ache legal!! Abs

      • tiagovaz says:

        Opa, eu sou crítico ferrenho da google e não uso nenhum serviço deles… Mas pelo que sei o hangout funciona bem e é simples de configurar, na falta de alguém mais técnico aí pra dar uma força acho que é uma boa solução sim! Eu criaria uma conta só pra isso🙂 Espero que dê certo, com ou sem transmissão, parabéns a vocês todos pela atitude.

  2. Pingback: Ciclo de palestras “A Unidade da Arte Contra a Copa” – segundo encontro, dia 17/06/14 | Ciro Visconti's Blog

  3. Pingback: Ciclo de palestras “A Unidade da Arte Contra a Copa” – terceiro encontro, dia 23/06/14 | Ciro Visconti's Blog

  4. Pingback: Ciclo de palestras “A Unidade da Arte Contra a Copa” – quarto encontro, dia 28/06/14 | Ciro Visconti's Blog

  5. Pingback: Ciclo de palestras Unidade da Arte Contra a Copa do Mundo – quinto encontro, dia 04/07 | Ciro Visconti's Blog

  6. Pingback: Ciclo de palestras Unidade da Arte Contra a Copa do Mundo – sexto encontro, dia 08/07 | Ciro Visconti's Blog

  7. Pingback: Ciclo de palestras Unidade da Arte Contra a Copa do Mundo – sétimo encontro, dia 13/07 (final da copa) | Ciro Visconti's Blog

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s