Diário de gravação (parte 3)


21 de fevereiro de 2012.

Segundo e derradeiro dia de gravação de bateria do nosso disco. Cheguei cedo no estúdio (afinal é ao lado de minha casa e venho a pé), antes mesmo do Léo. Aproveitei para dar uma ouvida no que foi gravado ontem. Assim que o Léo chegou, começamos a gravar novamente. Ele começou com “Sakura”, uma versão que fizemos de uma música tradicional japonesa e que não deve entrar no disco (provavelmente lançaremos depois do disco, como um bônus). Assim que começamos a gravar, percebemos que a guia que fizemos estava com alguns problemas, acidentes que acontecem quando você trabalha de madrugada e com sono. Perdemos algum tempo para resolver esses problemas, e as gravações só começaram de fato lá pela hora do almoço.

Depois de “Sakura”, ele gravou uma música que costumava chamar “Contention by Force”. Contudo, hoje a Lorena mostrou uma letra inteiramente nova (e mais legal ainda), com um título diferente, “Griffin’s Shadow”. Acho que esse é mais um bom exemplo daquelas reflexões que Zuckerkandl teve sobre os esboços de Beethoven, e as mudanças, sejam significativas ou apenas detalhes, podem acontecer mesmo no último instante. De qualquer forma, essa é a música mais pesada do disco, na qual eu e o Leandro tocamos com o bordão em Ré, e por isso ela exigiu muita pegada de bateria. Depois disso, fizemos uma pausa para almoçar, pois já eram mais de 15:00 hs. Dessa vez, fomos ao Ponto Chic.

Na volta, foi a vez de gravar “Period”, uma música com um clima bem “diafânico” e que tem uma linha de bateria realmente incrível. O Léo é um batera muito técnico e criativo, tenho certeza que essa é uma linha de batera que vai surpreender muito a quem ouvir o disco. Eu gravei um pequeno trecho dele tocando com meu ipod, quem quiser assistir, eu postei em meu facebook: facebook.com/cirovisconti

Depois foi a vez de “Ave”, justamente a música que eu fiz uma alteração de última hora, e que gerou toda a minha reflexão no post anterior. Essa música talvez surpreenda muito a quem já conhece o som do Diafanes. Isso porque ela tem fortes influências de música nordestina, especialmente do baião e do maracatu. O Léo mostrou que é um batera bastante versátil, e fez levadas muito legais!

Mas, a música mais difícil ele deixou para o final: “Musk”. Não sei se Musk é a música mais legal do disco (eu ainda não tenho minha favorita), mas é disparado a música mais difícil do Diafanes, não só para o Léo, como para o resto de nós também. Ela tem um clima totalmente influênciado por música árabe (todos os nossos discos tem uma música nesse clima árabe: “Shrub”, no See Through, “Hymn To Selene” no Obviously Clear, e agora “Musk”), e tem muitas partes diferentes, com diversas convenções de baixo, batera e guitarra em ritmos super rápidos, além de uma parte vocal dificílima. Eu trabalhei na composição dessa música por 3 anos, fora o tempo que passamos fazendo o arranjo, e hoje eu tenho muito orgulho dela, porque conseguimos incluir todas as idéias malucas que pensei para ela. Uma dessas idéias, foi um solo de guitarra e batera juntos, no qual rolam uns ritmos bem difíceis. Foi muito legal ver o Léo gravando essa parte da música hoje!

Depois disso todas as partes de bateria estavam gravadas. Tenho de dizer que, apesar de tocar com o Léo há um ano já, ele superou as minhas expectativas. Todas as linhas são incrivelmente criativas e foram muito bem executadas. Agora, o próximo a gravar é o Leandro, na quinta feira.

Meu ânimo não poderia estar melhor!

Final da sesão de gravação de bateria. Da esquerda para direita: Luma Tomao, Lorena Hollander, Léo Baeta (depois de 10 horas de gravação), San Issobe, Leandro De César e Ciro Visconti.

Léo Baeta - 20/21 de Fevereiro de 2012.

Léo Baeta - 20/21 de Fevereiro de 2012.

Léo Baeta – 20/21 de Fevereiro de 2012.

Léo Baeta - 20/21 de Fevereiro de 2012.

Léo Baeta - 20/21 de Fevereiro de 2012.

Léo Baeta - 20/21 de Fevereiro de 2012.

Léo Baeta - 20/21 de Fevereiro de 2012.

Léo Baeta - 20/21 de Fevereiro de 2012.

Léo Baeta - 20/21 de Fevereiro de 2012.

Léo Baeta - 20/21 de Fevereiro de 2012.

About cirovisconti

Guitarrista do Diafanes, professor do Conservatório Souza lima e colaborador da Revista Guitar Player myspace.com/cirovisconti myspace.co
This entry was posted in Bate papo musical, Diafanes, Diário de gravação - 2012, Equipamentos. Bookmark the permalink.

2 Responses to Diário de gravação (parte 3)

  1. Sophia says:

    Parabéns a todos, muito sucesso!

  2. meathook79 says:

    Pô, que foda! Espero um dia também fazer isso! *-*
    Parabéns, Ciro!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s