Definição de compasso


Ciro, segundo o Dicionário Grove (Ed. Concisa) “compasso é a distancia entre tempos fortes” e não uma simples divisão arbitrária da música em partes de durações x ou y. Acho essa definição mais precisa, uma vez que a escrita musical apenas reflete a sonoridade que percebemos naturalmente ou que desejamos obter do executante. O que você pensa sobre essa definição? (Leonardo, via formspring.me)

Questão difícil essa. Isso porque eu considero impossível definir um termo ou uma propriedade musical de forma exata, por mais simples e corriqueiro que esse termo seja. Acho que as definições, quando bem formuladas, podem dar a um leigo uma idéia aproximada daquilo que define. Mas falham na medida em que se propõe a descrever o termo ou propriedade de uma maneira absoluta, sem que houvesse espaço para outras definições. Dito isso, admito que a minha definição de compasso é imprecisa e incompleta (como qualquer outra).

Talvez você esteja se perguntando o porquê então de eu insistir em formular definições. A resposta é simples: exercício. Quando formulamos uma definição precisamos imaginar o texto que escrevemos sendo lido por alguém que conhece o objeto definido ainda menos do que nós. Na verdade definir algo é um exercício de alteridade! E nesse exercício quem define frequentemente aprende, ou precisa aprender, mais do que quem lê a definição, por mais paradoxal que pareça.

Bom, mas vamos refletir um pouco sobre a definição de “compasso” do Dicionário Grove: “compasso é a distancia entre tempos fortes”. Com todo o respeito (até porque sempre consulto esse dicionário) eu considero essa definição equivocada. Música é uma arte temporal, isso quer dizer que diferentemente da pintura ou escultura, que se relacionam com o espaço, a música se relaciona com o tempo. O problema é que tempo é algo que conseguimos sentir passar, mas somos incapazes de medir. O próprio relógio é um bom exemplo disso, vemos os ponteiros se deslocando no espaço para saber o quanto tempo passou. Em outras palavras os ponteiros marcam o espaço!

Em música também criamos algumas metáforas que indicam o tempo através do espaço. A propriedade do som que conhecemos com altura é, por exemplo, uma dessas metáforas. Digo que Lá é mais alto (agudo) que Dó, quando na verdade a diferença está entre suas frequências e na sensação que ouvimos. Traduzimos essas frequências e as sensações que elas produzem numa metáfora espacial que chamamos de altura.
A notação musical é o ápice desse tipo de codificação. Isso porque você transforma em código visual algo que é apenas auditivo, e por isso transforma em espaço algo que se dá apenas no tempo! Essa é uma ferramenta decisiva na evolução da música, mas só é eficiente se entendermos a notação musical apenas como uma codificação. É preciso separar a música de sua notação para formular algumas definições.

Ao contrário do que você disse em sua pergunta eu considero que a definição do Dicionário Grove é muito mais ligada a notação musical do que a minha. Isso porque descreve o compasso como uma distância! Ora mais não há distância alguma entre pulsos fortes, e admitir isso só é possível se você estiver pensando na notação musical (espaço) e não na música (tempo). O que há entre os pulsos fortes é tempo e não espaço. Em compassos quaternários esse tempo é dividido em quatro pulsos, em ternários em três e assim por diante. Por isso considero que o compasso se uma divisão arbitrária de uma música. Essa divisão ocorre na música e pode ser notada no pentagrama, portanto ela ocorre no tempo e é notada no espaço (assim como o relógio).

Mas essa é uma questão aberta e provavelmente nunca teremos uma definição satisfatória do que é um compasso!

Abraços

About cirovisconti

Guitarrista do Diafanes, professor do Conservatório Souza lima e colaborador da Revista Guitar Player myspace.com/cirovisconti myspace.co
This entry was posted in Estética musical, Teoria e estruturação Musical. Bookmark the permalink.

One Response to Definição de compasso

  1. Rodrigo says:

    Olá Ciro, gosto de aprender com você, inclusive estou lendo o seu livro. Sobre o assunto tempo, não posso concordar totalmente com você, uma vez que sim, há espaço no tempo, Einstein provou isso com a teoria da relatividade, onde mostrou que o tempo é mais uma dimensão do espaço intrelaçada ao espaço, na verdade o espaço-tempo, para entender melhor basta imaginar, que o tempo é um rio com forte correnteza, onde nós estamos no meio dele, sem enxergar as margens e sendo levados pela correnteza, sem ter meios da fazer algo contra isso, mas com as tecnologias certas poderiamos percorrer esse rio em qualquer direção(passado-futuro), basta conhecer o paradoxo dos gêmeos, que diz que se houvessem dois irmãos gêmeos, portanto idênticos e de mesma idade e um deles fosse astronauta e fosse para o espaço onde percorreria um período na velocidade da luz enquanto o outro ficaria na terra, apenas a mercê do deslocamento natural do planeta, digamos que esse irmão que viajou para o espaço e foi para um planeta a 10 anos-luz da terra, considerando a acelaração, digamos que ele levou cerca de 12,5 anos-luz para chegar lá e mais 12,5 anos-luz para voltar, então se passaram 25 anos no total, mas isto no referencial do irmão que ficou na terra, para o irmão que viajou se passaram apenas 15 anos, então o gêmeo que ficou na terra será 10 anos mais velho do que seu irmão gêmeo que viajou, isso por que percorreram a dimensão temporal de formas diferentes, por causa da distorção causada pela velocidade, outra coisa que mostra esse ponto é a unidade anos-luz, que não é uma unidade temporal e sim de distância.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s