Barroco e as dissonâncias


É verdade que era incomum ou mal visto o emprego de notas dissonantes no barroco? Nesta obra de Bach, me parece que elas são usadas(3o.e 4o compassos) mas mal se percebe tensão. O q vc acha? http://www.youtube.com/watch?v=X9Dh43kVL1Q

(Renato, via formspring.me)

Não sou um especialista em música barroca, afinal sou guitarrista. Mas não acho que o uso da dissonância fosse mal vista e nem ao menos incomum. Na verdade apenas o tratamento que se dava às dissonâncias era diferente. As dissonâncias nesse período eram tratadas como suspensão, bordadura e nota de passagem entre outras técnicas.
Aos poucos a dissonância se emancipou e os compositores deixaram de dar a ela um tratamento mais rígido. Talvez por isso a música a partir do século XIX tenha um maior número de dissonâncias.
Em todo o caso não acho que música boa é aquela que tem diversos acordes dissonantes, ou vice versa. Existe uma corrente de músicos que acha que quanto mais dissonâncias melhor, eu não penso assim. Mas também não tenho nenhum problema em usá-las quando julgo necessário (tratando ou não). Conssonância e dissonância são estruturas que estão disponíveis para o compositor, elas não são boas ou más em si!

About cirovisconti

Guitarrista do Diafanes, professor do Conservatório Souza lima e colaborador da Revista Guitar Player myspace.com/cirovisconti myspace.co
This entry was posted in Harmonia, História da música, Teoria e estruturação Musical. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s